China pretende se tornar líder mundial em inteligência artificial

China pretende se tornar líder mundial em inteligência artificial

Nesta quinta (20), a China traçou planos para se tornar o líder mundial em inteligência artificial (IA) até 2025, estabelecendo um desafio ao domínio dos Estados Unidos no setor, em meio a um intenso conflito internacional sobre a aplicação de IA na tecnologia militar.

O plano nacional de desenvolvimento da IA tem o objetivo de expandir as principais indústrias do setor, aplicando mais de 150 bilhões de yuans (US$ 22 bilhões) até 2020 e 400 bilhões de yuans (US$ 59 bilhões) até 2025, informou o Conselho de Estado.

Com este grande empurrão para a IA, a China está de olho nos líderes de mercado dos EUA, como a Google e a Microsoft, porque não quer ser deixada para trás em uma tecnologia cada vez mais importante.

“A situação com a China sobre segurança nacional e competição internacional é complexa… precisamos tomar a iniciativa de dominar esta nova etapa de desenvolvimento para a inteligência artificial e criar uma nova vantagem competitiva”, disse o Conselho de Estado.

O plano foi anunciado no momento em que os EUA se preparam para reforçar sua análise de investimentos, incluindo inteligência artificial, com preocupações de que países, incluindo a China, possam acessar tecnologia de importância militar estratégia.

O plano da China segue um plano nacional similar de desenvolvimento de IA lançado pelos EUA em outubro de 2016.

A China já investiu fortemente no setor. Em fevereiro, foi aberto um laboratório de IA em parceria com a Baidu, o principal site de pesquisa do país, o que está trazendo um grande impulso para a IA.

Rui Yong, diretor de tecnologia da Lenovo, disse que o apoio oficial para IA foi devido a tecnologia ser considerada a mais recente “Revolução Industrial”, semelhante ao advento do motor de combustão, eletricidade ou a internet.

“Eles vêem que a quarta revolução industrial está chegando, é melhor investir, apoiar e construir um ecossistema muito forte”, disse Rui.

 

fonte: Reuters

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um comentário